Pular para o conteúdo principal

 

Falta papo entre colegas de idades diferentes, diz pesquisa




Por Megan Davies

    Nova York - Existe uma lacuna geracional nos locais de trabalho porque os empregados de 20 e poucos anos raramente conversam com seus colegas cinquentões ou sessentões, segundo uma nova pesquisa.

    As 3.494 entrevistas feitas pela consultoria de RH Randstad USA mostrou que 51 por cento dos "baby boomers" (uma geração hoje na faixa dos 50-60 anos) e 66 por cento dos trabalhadores mais velhos têm pouca ou nenhuma interação com seus colegas mais jovens.

    Especialistas em recursos humanos temem que essa falta de comunicação crie uma escassez de mão-de-obra qualificada, porque uma geração está se aposentando sem transferir seus conhecimentos.

    "Os trabalhadores mais velhos vêem de forma estereotipada os mais jovens como não tão competentes e sem tanta ética de trabalho", disse Eric Buntin, diretor de marketing e operações da Randstad USA.

    "Os trabalhadores mais jovens vêem os mais velhos como pessoas que não conseguem pensar fora do convencional."

    Além disso, segundo ele, essas gerações têm expectativas diferentes a respeito de trabalho e emprego. Para Butin, as empresas deveriam se mobilizar para "reuni-los de forma significativa, para que se engajem juntos em projetos."

    A pesquisa avaliou quatro gerações: a dita Geração Y, nascida entre 1980 e 88; a Geração X, nascida entre 1965 e 79; os "baby-boomers", nascidos entre 1946 e 64; e os maduros, pré-1945 -com os quais em geral nenhuma outra geração interage.

    Sobre a Geração Y, a pesquisa mostrou que há uma auto-imagem relativamente ruim, pois apenas 29 por cento de seus integrantes consideram competentes as pessoas da sua própria faixa etária.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

  O dilema de não morrer Por Ronaldo Correia de Brito*      Há cerca de quatro anos um paciente que acompanho teve a suspeita clínica de uma doença neurodegenerativa, uma síndrome parkinsoniana. Nesse tempo, evoluiu com rigidez muscular, perda progressiva de força e da voz, alteração da marcha, dificuldade para deglutir e respirar. Após exaustivas investigações, o diagnóstico nunca foi confirmado, nem se chegou a uma terapêutica que sustasse a progressão dos sintomas.      No momento, ele não anda, não fala, se alimenta através de uma sonda enterorrenal, passando em torno de vinte horas por dia num respirador não invasivo. Há um ano vive sob cuidados de uma equipe médica e para-médica, em atendimento domiciliar semi-intensivo. Vez por outra precisa ser internado por conta de complicações infecciosas.      Muitos pacientes idosos e com doenças crônicas vivem esse mesmo sofrimento. Aqueles que pagam seguro saúde recorrem ao sistema Home Care e podem ser assistidos em suas próprias
  Alzheimer: a batalha para salvar a memória    Jeffrey Kluger       Perdeu as chaves ou esqueceu os nomes outra vez? As pessoas maduras estão fazendo tudo para manter a memória acesa. O que funciona e o que mete medo?      Minha memória começou a me preocupar no dia em que quase congelei um bicho de estimação, mais exatamente um saquinho com peixes tropicais. Na escala de apreço aos animais domésticos, os peixinhos ficam logo abaixo do gato da família e logo acima de um bom conjunto de descanso para copos. Num momento de distração, guardei os peixes na geladeira junto com os outros pacotes de compras. Por sorte, consegui resgatá-los antes que virassem jantar.      Esse episódio me alertou para o fato de que minha memória já não é tão boa. E tenho razões para ficar preocupado. Tenho quarenta e tantos anos e entrei na idade em que a maioria das pessoas começa a perceber que não é mais a mesma, já não enxerga tão bem, não tem tanta disposição e acha difícil manter a silhueta. S
    Idosos que fazem sexo são mais saudáveis Levantamento feito nos EUA mostra a vida sexual depois dos 60. Trabalho mostrou que os que faziam mais sexo eram os que tinham mais saúde.      Segundo estudo, 81% dos homens e 51% das mulheres entre 57 e 85 anos não dispensam o sexo (Foto: New York Times)      Esqueça aquela história de que o vovô e a vovó preferem ver TV no sábado à noite. Um levantamento feito nos Estados Unidos revela que, pelo menos entre os americanos, os idosos entre 57 e 85 anos são muito mais sexualmente ativos do que os “jovenzinhos” podem pensar. E mais: os que mais fazem sexo na terceira idade são também os mais saudáveis.      O estudo encomendado pelos Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos, e publicado na revista científica “The New England Journal of Medicine”, revela que a maioria dos americanos acima dos 57 não apenas faz sexo, como considera o ato sexual uma parte muito importante da vida.      Entre as idades de 57 e 64, 73% dos idos