Pular para o conteúdo principal

 

Entenda os mistérios da memória


Labirintos da memória: Quem sou?, de Vera Maria Antonieta T. Brandão. Paulus Editora.


    A origem da palavra memória remete à mitologia greco-romana, mais precisamente à deusa Mnemósine, filha do Céu e da Terra, irmã de Cronos – o deus que preside o tempo – e mãe das Musas, que com ela regiam as artes e todas as formas de expressão, especialmente a poesia.

    Além da mitologia, a memória têm sido objeto de estudo da Filosofia, da Física, da História, da Antropologia e de muitas outras ciências. Labirintos da memória: Quem sou?, lançamento da PAULUS Editora, convida o leitor a analisar o tema sob uma perspectiva interdisciplinar.

    O livro alerta que, muitas vezes, a memória é relacionada somente com o envelhecimento e a patologias como, por exemplo, doença de Parkinson e mal de Alzheimer, o que não é verdade. “A memória é a nossa identidade”, afirma Vera Maria Antonieta T. Brandão, autora do livro.

    A autora explica que a formação das memórias é resultado de interações bioquímicas que envolvem diferentes áreas do cérebro, e que um conhecimento ou um acontecimento só é lembrado se for modulado pela emoção. “A memória é resultado de tudo que aprendemos na vida, seja na escola, viajando ou conversando com nossos amigos”, ressalta.

    Labirintos da memória: Quem sou? faz parte da coleção Questões Fundamentais e pretende discutir de forma objetiva um tema complexo, atual e pouco discutido.

    Vera Maria Antonieta Tordino Brandão é graduada em Pedagogia pela Universidade de São Paulo, mestra e doutora em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Tem experiência na área de Antropologia, com ênfase em Antropologia Urbana, atuando principalmente nos temas: Saber, Tempo e Projeto. Atualmente é editora-assistente da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

  O dilema de não morrer Por Ronaldo Correia de Brito*      Há cerca de quatro anos um paciente que acompanho teve a suspeita clínica de uma doença neurodegenerativa, uma síndrome parkinsoniana. Nesse tempo, evoluiu com rigidez muscular, perda progressiva de força e da voz, alteração da marcha, dificuldade para deglutir e respirar. Após exaustivas investigações, o diagnóstico nunca foi confirmado, nem se chegou a uma terapêutica que sustasse a progressão dos sintomas.      No momento, ele não anda, não fala, se alimenta através de uma sonda enterorrenal, passando em torno de vinte horas por dia num respirador não invasivo. Há um ano vive sob cuidados de uma equipe médica e para-médica, em atendimento domiciliar semi-intensivo. Vez por outra precisa ser internado por conta de complicações infecciosas.      Muitos pacientes idosos e com doenças crônicas vivem esse mesmo sofrimento. Aqueles que pagam seguro saúde recorrem ao sistema Home Care e podem ser assistidos em suas próprias
  Alzheimer: a batalha para salvar a memória    Jeffrey Kluger       Perdeu as chaves ou esqueceu os nomes outra vez? As pessoas maduras estão fazendo tudo para manter a memória acesa. O que funciona e o que mete medo?      Minha memória começou a me preocupar no dia em que quase congelei um bicho de estimação, mais exatamente um saquinho com peixes tropicais. Na escala de apreço aos animais domésticos, os peixinhos ficam logo abaixo do gato da família e logo acima de um bom conjunto de descanso para copos. Num momento de distração, guardei os peixes na geladeira junto com os outros pacotes de compras. Por sorte, consegui resgatá-los antes que virassem jantar.      Esse episódio me alertou para o fato de que minha memória já não é tão boa. E tenho razões para ficar preocupado. Tenho quarenta e tantos anos e entrei na idade em que a maioria das pessoas começa a perceber que não é mais a mesma, já não enxerga tão bem, não tem tanta disposição e acha difícil manter a silhueta. S
    Idosos que fazem sexo são mais saudáveis Levantamento feito nos EUA mostra a vida sexual depois dos 60. Trabalho mostrou que os que faziam mais sexo eram os que tinham mais saúde.      Segundo estudo, 81% dos homens e 51% das mulheres entre 57 e 85 anos não dispensam o sexo (Foto: New York Times)      Esqueça aquela história de que o vovô e a vovó preferem ver TV no sábado à noite. Um levantamento feito nos Estados Unidos revela que, pelo menos entre os americanos, os idosos entre 57 e 85 anos são muito mais sexualmente ativos do que os “jovenzinhos” podem pensar. E mais: os que mais fazem sexo na terceira idade são também os mais saudáveis.      O estudo encomendado pelos Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos, e publicado na revista científica “The New England Journal of Medicine”, revela que a maioria dos americanos acima dos 57 não apenas faz sexo, como considera o ato sexual uma parte muito importante da vida.      Entre as idades de 57 e 64, 73% dos idos