Pular para o conteúdo principal

 

 Conflito de gerações




    Transformou-se quase num lugar comum atribuir às gerações posteriores à nossa a responsabilidade de levarem à perdição do mundo. Quem já não ouviu a expressão “este mundo está perdido”, sem quem o diz assumir a sua quota parte de responsabilidade por este estado de coisas? Bem pelo contrário, cada um de nós, apressa-se “a sacudir a água do capote”, expressão usada na gíria militar para o alijar de responsabilidades, por vezes, até próprias.

    Não andarei longe da verdade, se disser que os nossos pais disseram-no em relação a nós e nós, por sua vez, o dizemos em relação aos nossos filhos entre as quatro paredes da nossa casa. Ou se não o dizemos, pensamo-lo pelo menos quando os nossos “rebentos” não andam na linha que a nossa autoridade paternal traçou. Bem ou mal!

    Em uma conferência por si proferida, mais afoito, porque o fez publicamente, o médico inglês Ronald Gibson começou por citar quatro frases denunciantes do comportamento dos jovens que levam à desesperança no futuro. Elenco-as:

1. “A nossa juventude adora o luxo, é mal-educada, despreza a autoridade e não tem o menor respeito pelos mais velhos. Os nossos filhos hoje são verdadeiros tiranos. Eles não se levantam quando uma pessoa idosa entra, respondem aos pais, são simplesmente maus”.
2. “Não tenho mais nenhuma esperança no futuro do nosso país se a juventude de hoje tomar o poder amanhã, porque esta juventude é insuportável, desenfreada, simplesmente horrível”.
3. “O nosso mundo atingiu o seu ponto crítico. Os filhos não ouvem mais os pais. O fim do mundo não pode estar muito longe”.

4. “Esta juventude está estragada até ao fundo do coração. Os jovens são maus e preguiçosos. Eles nunca serão como a juventude de antigamente…A juventude de hoje não será capaz de manter a nossa cultura”.

    Pelo menos e principalmente quando atribuídos aos filhos dos outros, estes comportamentos perpassam na nossa mente com uma nitidez que não deixa lugar a qualquer dúvida de se tratar de um libelo acusatório que exige pena pesada para os jovens prevaricadores contra uma sociedade ideal em que eles devem assumir as responsabilidades que lhe são cometidas para que o mundo de hoje seja como o de antigamente e passe essa herança para as gerações vindouras!
    Como é natural, houve uma aquiescência contra todos estes defeitos da juventude, e mais que fossem inventariados! Assim, após ter lido estas quatro desapiedadas citações, o conferencista ficou muito satisfeito com a aprovação geral que elas mereceram por parte da assistência. E o leitor? Faz coro com a referida assistência?

    Antes de dar o seu veredicto, impõe-se um esclarecimento sobre a identidade ou identidades do(s) autor(es) das frases. Passo a palavra ao orador que as citou, situando-as, também, no tempo. Assim, a primeira frase é de Sócrates ( 470-399 a.C.), a segunda de Hesíodo (720 a.C.), a terceira de um sacerdote do ano 2000 a.C., a quarta encontrava-se escrita num vaso de argila descoberto nas ruínas da Babilônia tendo mais de 4000 anos. Feitas as contas, de lá para cá medeiam, pelo menos quatro milênios.

    Saibamos, pelo menos, aproveitar a lição. De futuro, quando invectivarmos a juventude, não digamos “a juventude do nosso tempo”. Digamos, a juventude - “tout court”. Desta forma, distribuiremos o mal pela poeira dos tempos, podendo, assim, a badalada, e nem sempre devidamente clarificada, polêmica sobre a “juventude rasca” encontrar novo fôlego em críticas com origem numa quase eternidade de quatro milênios. Mais ano, menos ano!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

  O dilema de não morrer Por Ronaldo Correia de Brito*      Há cerca de quatro anos um paciente que acompanho teve a suspeita clínica de uma doença neurodegenerativa, uma síndrome parkinsoniana. Nesse tempo, evoluiu com rigidez muscular, perda progressiva de força e da voz, alteração da marcha, dificuldade para deglutir e respirar. Após exaustivas investigações, o diagnóstico nunca foi confirmado, nem se chegou a uma terapêutica que sustasse a progressão dos sintomas.      No momento, ele não anda, não fala, se alimenta através de uma sonda enterorrenal, passando em torno de vinte horas por dia num respirador não invasivo. Há um ano vive sob cuidados de uma equipe médica e para-médica, em atendimento domiciliar semi-intensivo. Vez por outra precisa ser internado por conta de complicações infecciosas.      Muitos pacientes idosos e com doenças crônicas vivem esse mesmo sofrimento. Aqueles que pagam seguro saúde recorrem ao sistema Home Care e podem ser assistidos em suas próprias
  Alzheimer: a batalha para salvar a memória    Jeffrey Kluger       Perdeu as chaves ou esqueceu os nomes outra vez? As pessoas maduras estão fazendo tudo para manter a memória acesa. O que funciona e o que mete medo?      Minha memória começou a me preocupar no dia em que quase congelei um bicho de estimação, mais exatamente um saquinho com peixes tropicais. Na escala de apreço aos animais domésticos, os peixinhos ficam logo abaixo do gato da família e logo acima de um bom conjunto de descanso para copos. Num momento de distração, guardei os peixes na geladeira junto com os outros pacotes de compras. Por sorte, consegui resgatá-los antes que virassem jantar.      Esse episódio me alertou para o fato de que minha memória já não é tão boa. E tenho razões para ficar preocupado. Tenho quarenta e tantos anos e entrei na idade em que a maioria das pessoas começa a perceber que não é mais a mesma, já não enxerga tão bem, não tem tanta disposição e acha difícil manter a silhueta. S
    Idosos que fazem sexo são mais saudáveis Levantamento feito nos EUA mostra a vida sexual depois dos 60. Trabalho mostrou que os que faziam mais sexo eram os que tinham mais saúde.      Segundo estudo, 81% dos homens e 51% das mulheres entre 57 e 85 anos não dispensam o sexo (Foto: New York Times)      Esqueça aquela história de que o vovô e a vovó preferem ver TV no sábado à noite. Um levantamento feito nos Estados Unidos revela que, pelo menos entre os americanos, os idosos entre 57 e 85 anos são muito mais sexualmente ativos do que os “jovenzinhos” podem pensar. E mais: os que mais fazem sexo na terceira idade são também os mais saudáveis.      O estudo encomendado pelos Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos, e publicado na revista científica “The New England Journal of Medicine”, revela que a maioria dos americanos acima dos 57 não apenas faz sexo, como considera o ato sexual uma parte muito importante da vida.      Entre as idades de 57 e 64, 73% dos idos