Pular para o conteúdo principal

 

Mesmo com medo, pessoas com mais de 55 anos começam a descobrir a Internet



                                                           Por Daniela Braun, editora do IDG Now!

    Segundo o Ibope, 1,2 milhão de pessoas acima dos 55 anos acessaram a web de casa, mostrando que há um potencial inexplorado na internet.

    Aos 60 anos, Diva Legnaioli decidiu navegar pelo mundo. Ingressou em curso para a terceira idade, comprou um notebook há cinco meses e mergulhou de cabeça na internet. Veneza, Buenos Aires e o Museu do Louvre estão entre os destinos visitados recentemente pela funcionária aposentada da Prefeitura de São Paulo.

    “Não tenho condições de viajar, mas entrei no site de Veneza e fiquei encantada com a música”, conta a internauta que já chegou a ficar das 13h às 19h conectada. “Mas ainda sou meio medrosa e não sei onde vou chegar”, afirma a internauta.

    Assim como Diva, muitos brasileiros com idade acima de 55 anos precisam vencer o medo, a desconfiança ou a aversão ao PC para se incluírem digitalmente. Embora a ideia de exclusão digital seja geralmente aliada às crianças, os idosos possuem uma representatividade muito baixa na internet brasileira.

    Somente 4% dos brasileiros com mais de 60 anos de idade acessam a web, revela pesquisa do Datafolha, encomendada pelo OldNet - projeto de inclusão digital de idosos da ONG Cidade Escola Aprendiz – no final de junho.

    Na internet residencial, segundo dados do Ibope//NetRatings, do total de 18,5 milhões de brasileiros que se conectaram em casa, no mês de julho, 6,5% tinham mais de 55 anos (1,2 milhão de pessoas), sendo apenas 1,4% com idade superior a 64 anos. Em julho de 2006, a participação dos internautas com mais de 55 anos na internet residencial era de 7,2%, enquanto a faixa etária superior a 64 anos se manteve estável.

Comunicação e informações

    Entre a pequena parcela de idosos, que se conectam logo cedo – na média, entre 7 e 10 da manhã -, em suas residências, a internet é mais usada como ferramenta de comunicação e busca de informações. “Os conteúdos que mais têm afinidade com o público de 55 anos ou mais são comunicação por telefonia IP, bancos, sites oficias como o da Receita Federal, comércio eletrônico e notícias”, observa José Calazans, analista de Internet do Ibope.

    O uso da voz na internet ainda reflete o hábito de comunicação vindo da telefonia tradicional. “Os jovens preferem escrever na internet, enquanto os mais velhos buscam a comunicação por voz”, compara Calazans.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

  O dilema de não morrer Por Ronaldo Correia de Brito*      Há cerca de quatro anos um paciente que acompanho teve a suspeita clínica de uma doença neurodegenerativa, uma síndrome parkinsoniana. Nesse tempo, evoluiu com rigidez muscular, perda progressiva de força e da voz, alteração da marcha, dificuldade para deglutir e respirar. Após exaustivas investigações, o diagnóstico nunca foi confirmado, nem se chegou a uma terapêutica que sustasse a progressão dos sintomas.      No momento, ele não anda, não fala, se alimenta através de uma sonda enterorrenal, passando em torno de vinte horas por dia num respirador não invasivo. Há um ano vive sob cuidados de uma equipe médica e para-médica, em atendimento domiciliar semi-intensivo. Vez por outra precisa ser internado por conta de complicações infecciosas.      Muitos pacientes idosos e com doenças crônicas vivem esse mesmo sofrimento. Aqueles que pagam seguro saúde recorrem ao sistema Home Care e podem ser assistidos em suas próprias
  Alzheimer: a batalha para salvar a memória    Jeffrey Kluger       Perdeu as chaves ou esqueceu os nomes outra vez? As pessoas maduras estão fazendo tudo para manter a memória acesa. O que funciona e o que mete medo?      Minha memória começou a me preocupar no dia em que quase congelei um bicho de estimação, mais exatamente um saquinho com peixes tropicais. Na escala de apreço aos animais domésticos, os peixinhos ficam logo abaixo do gato da família e logo acima de um bom conjunto de descanso para copos. Num momento de distração, guardei os peixes na geladeira junto com os outros pacotes de compras. Por sorte, consegui resgatá-los antes que virassem jantar.      Esse episódio me alertou para o fato de que minha memória já não é tão boa. E tenho razões para ficar preocupado. Tenho quarenta e tantos anos e entrei na idade em que a maioria das pessoas começa a perceber que não é mais a mesma, já não enxerga tão bem, não tem tanta disposição e acha difícil manter a silhueta. S
    Idosos que fazem sexo são mais saudáveis Levantamento feito nos EUA mostra a vida sexual depois dos 60. Trabalho mostrou que os que faziam mais sexo eram os que tinham mais saúde.      Segundo estudo, 81% dos homens e 51% das mulheres entre 57 e 85 anos não dispensam o sexo (Foto: New York Times)      Esqueça aquela história de que o vovô e a vovó preferem ver TV no sábado à noite. Um levantamento feito nos Estados Unidos revela que, pelo menos entre os americanos, os idosos entre 57 e 85 anos são muito mais sexualmente ativos do que os “jovenzinhos” podem pensar. E mais: os que mais fazem sexo na terceira idade são também os mais saudáveis.      O estudo encomendado pelos Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos, e publicado na revista científica “The New England Journal of Medicine”, revela que a maioria dos americanos acima dos 57 não apenas faz sexo, como considera o ato sexual uma parte muito importante da vida.      Entre as idades de 57 e 64, 73% dos idos